Língua:

Análises

A Conservação Estratégica apoia conservacionistas locais na utilização de ferramentas da economia que os permitam encontrar soluções inteligentes e eficientes para os problemas ambientais mais urgentes. Desde a sua criação, a CSF conduziu dezenas de estudos sobre ambientes florestais, fluviais e costeiros. A maior parte dos nossos projetos é focada nos Trópicos, pois estes apresentam níveis extraordinários de biodiversidade. Para maximizar a influência e a qualidade dos nossos estudos, nós envolvemos profissionais de renome e organizações conservacionistas em todos os projetos.

Filtro de Estradas: Uma análise estratégica de projetos de estradas na Amazônia

O Filtro de Estradas é uma ferramenta analítica desenvolvida pela Conservação Estratégica para apoiar a conservação e o desenvolvimento sustentável. A ferramenta usa um índice comparativo que releva as implicações ambientais, econômicas, social e cultural de projetos de construção de estradas. A ferramenta pode ser usada em toda a região da Amazônia para informar tomadores de decisão sobre os níveis de risco de uma projeto e dos possíveis impactos. Em 2011, nós usamos o Filtro de Estradas em 36 propostas de estradas na região. O ranking geral dessas estradas pode ser visto aqui: http://conservation-strategy.org/en/infrastructure/roads

A ferramenta vai muito além da análise de riscos econômicos tradicional, empregando uma abordagem de critérios múltiplos que integra um conjunto de fatores em um único índice. O seu sistema flexível de ranking proporciona uma melhor orientação em decisões estratégicas para priorizar os esforços nas áreas de conservação e de despesas com transporte.

The Filter considers 17 variables, grouped into four categories and weighted according to their relative importance, from the authors’ point of view (visto aqui). Valores numéricos são estabelecidos para cada variável de cada projeto de estrada. Estes valores são multiplicados pelo peso correspondente e então agregado a outros para derivar o ranking final, o qual mostra um nível relativo de oportunidade de conservação apresentado por cada estrada. Esta oportunidade é simplesmente o lado oposto do risco: as estradas “mais arriscadas” são aquelas com alto impacto negativo, benefício mínimo e alguma oposição local. Genericamente falando as oportunidades de conservação estão presentes em projetos em que mudança e relocação ainda são possíveis, podendo beneficiar tanto o desenvolvimento conservacionista quanto econômico.

Esta ferramenta dinâmica e de critérios múltiplos ajuda conservacionistas e tomadores de decisão estabelecerem avaliações comparativas de risco para projetos de estrada na Amazônia e a identificar oportunidades para atitudes conservacionistas. Nós esperamos que esta ferramenta contribua para maior eficiência dos recursos econômicos, ajudando planejadores de desenvolvimento a prevenir impactos negativos e poder focar investimentos nas estradas com maior benefício