Língua:

Análises

A Conservação Estratégica apoia conservacionistas locais na utilização de ferramentas da economia que os permitam encontrar soluções inteligentes e eficientes para os problemas ambientais mais urgentes. Desde a sua criação, a CSF conduziu dezenas de estudos sobre ambientes florestais, fluviais e costeiros. A maior parte dos nossos projetos é focada nos Trópicos, pois estes apresentam níveis extraordinários de biodiversidade. Para maximizar a influência e a qualidade dos nossos estudos, nós envolvemos profissionais de renome e organizações conservacionistas em todos os projetos.

Impactos econômicos da construção da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós ao provimento de serviços ecossistêmicos para a população local e regional

Os ecossistemas provém diversos serviços ecossistêmicos (SE) para a sociedade. Serviços ecossistêmicos são benefícios que as pessoas obtém dos ecossistemas, como comida e água, por exemplo. No entanto, mesmo sendo muito importantes, estes ainda são invisíveis nas tomadas de decisão. No caso da bacia do Rio Tapajós, isto não é diferente.

As populações que ali vivem dependem da provisão de alimentos, de água limpa, matéria prima etc. Conhecidos como SE, estes recursos são cruciais para a sua sobrevivência, bem-estar e renda dessas pessoas. No entanto, obras de infraestrutura planejadas para a região irão impactar estes serviços, influenciando assim a vida dessas pessoas, como é o caso da UHE São Luiz do Tapajós. Como avaliar as perdas dos SE? Como é que essas perdas influenciam a vida da população local e da qualidade do ambiente, impactando a vida de todos?

Neste contexto, a CSF está conduzindo um estudo de valoração de alguns dos SE a serem impactados pela construção da UHE São Luiz do Tapajós, com o intuito de entender como estes impactos se refletiriam em perdas econômicas para as populações locais. Apoiando, assim, o processo de sensibilização e de tomada de decisão sobre o desenvolvimento local e regional, contribuindo para a divulgação de dados e análises que mostram como esta construção poderia interferir na vida de municípios e comunidades ribeirinhas, rurais e indígenas.

Foram analisados os seguintes grupos de serviços ecossistêmicos:
1) Os serviços ecossistêmicos de provisão, tais como alimento, madeira e uma grande variedade de produtos não-madeireiros são essenciais para a subsistência e renda da população local;
2) A água de alta qualidade apresenta diversos usos para os municípios, comunidades ribeirinhas, rurais e indígenas;
3) A manutenção do clima global pelo armazenamento de CO2e, que tem benefícios globais, mas também um papel importante nas metas nacionais e em acordos internacionais.

Atualmente, a construção da UHE São Luiz do Tapajós está bloqueada, pois ainda não foi realizada a Consulta Livre, Prévia e Informada com as populações tradicionais a serem atingidas (etapa esta, anterior ao processo de leilão). Por isso, este é um momento importante para que os tomadores de decisão, assim como as populações envolvidas tomem conhecimento sobre os potenciais impactos da construção desta barragem. Neste sentido, a CSF vem trabalhando com outras instituições na divulgação de informações sobre os possíveis impactos e questões relacionadas aos processos de licenciamento e tomada de decisão. Por isso, oficinas, apresentações e discussões estão sendo desenvolvidas com intuito de reunir diferentes atores inseridos neste tema. Além disso, o estudo desenvolvido também será publicado no formato da série técnica.

Este projeto faz parte do projeto de Entendimento de Biodiversidade em Desenvolvimento de Paisagem e Infraestrutura (Biodiversity Understanding in Infrastructure and Landscape Development - BUILD), apoiado pela Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) .

Clique aqui para baixar nosso estudo.

A foto acima mostra a região conhecida como “Corredeiras de São Luis do Tapajós”, local de grande beleza cênica e importante destino turístico regional.
Crédito da fotografia: Camila Jericó-Daminello .